Linguagens

Níveis

Ajuda ao Vivo Através do Chat

 

Sobre este Site

Bem-vindo ao site eLearning da New Muslims. Este site é para muçulmanos recém-convertidos que desejam aprender sua nova religião de uma maneira fácil e sistemática. As aulas estão organizadas em níveis. Então, primeiro vá para a lição 1 do nível 1. Estude-a e depois faça o seu teste. Quando for aprovado, vá para a lição 2 e assim por diante. Felicidades.

Comece Aqui

É altamente recomendável registrar-se para que suas notas e progresso sejam salvos.  Então, primeiro registre-se aqui, depois comece com a lição 1 no nível 1 e daí em diante passe para a próxima lição. Estude ao seu gosto. Cada vez que retornar a este site, clique no botão “Leve-me onde estava” (disponível apenas para usuários registrados).

Os companheiros do Profeta Muhammad: Bilal Ibn Rabah

Descrição: Uma breve biografia do primeiro muezzin, Bilal Ibn Rabah.

Por Aisha Stacey (© 2014 IslamReligion.com)

Publicado em 06 Jan 2020 - Última modificação em 04 Mar 2015

Impresso: 3 - Enviado por E-mail: 0 - Vizualizado: 386 (média diária: 1)

Categoria: Lições > O Profeta Muhammad > Seus Companheiros


Objetivos

·       Aprender sobre a vida de Bilal ibn Rabah e como sua paciência e perseverança valeram a pena.

Termos em árabe

·       Sahabah  A forma plural de “Sahabi”, que se traduz em companheiros. Um sahabi, como a palavra é comumente usada hoje, é alguém que viu o Profeta Muhammad, acreditou nele e morreu como muçulmano.

·       Ahad – Deus Único.

·       Hadith – (plural: ahadith): É um relato ou uma história. No Islam, refere-se a um registro narrativo dos ditos e ações do Profeta Muhammad e seus companheiros.

·       Adhan – A maneira islâmica de chamar os muçulmanos para realizar as cinco orações obrigatórias.

·       Muezzin – Aquele que faz o chamado para a oração (Adhan).

BilalibnRabah.jpgBilal Ibn Rabah é a segunda pessoa cuja vida iremos analisar nesta série de lições sobre os companheiros do Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele). Às vezes, nos referimos a Bilal como Bilal Al Habashi, como uma homenagem à sua origem etíope (abissínio). Sahabi Bilal Ibn Rabah era uma das pessoas mais próximas do Profeta Muhammad. Ele era escravo de nascimento, sobreviveu a muitos anos de tortura, foi a primeira pessoa a fazer o chamado para oração, sempre esteve a serviço do Islam e morreu aos 64 anos. O exemplo da vida de Bilal é frequentemente usado para mostrar como os conceitos de pluralismo e igualdade racial estão incorporados na religião do Islam.

Bilal nasceu como escravo; sua mãe era serva na residência de Umayah Ibn Khalaf. Bilal tinha a reputação de ser um homem leal e trabalhador, e podemos imaginar que ele não tinha ilusões para o futuro. Ele provavelmente pensou que teria uma vida de trabalho árduo e monótono e morreria sem ter desfrutado da liberdade. No entanto, ele viveu em um tempo muito significativo para a história do mundo. Foi o despertar do Islam e um homem analfabeto que chamou pessoas para adorar um Deus, Ahad, o Único. O mestre de Bilal era um dos líderes de Quraish[1], então Bilal teve a oportunidade de ouvir as opiniões e discussões dos poderosos sobre a vida em Meca e sobre o Profeta Muhammad.

A vida econômica de Meca dependia da adoração de ídolos, e os ensinamentos do Profeta Muhammad ameaçavam destruir tudo isso. O Mensageiro de Allah também veio da tribo de Quraish e todas as pessoas reconheceram sua integridade. Bilal prestou atenção às conversas que surgiram e prosseguiram sobre o assunto e, sem dúvida, decidiu que uma mensagem de misericórdia, perdão e justiça seria uma luz e uma esperança para se manter. Foi então que ele declarou sua aceitação da mensagem do Islam, e sua vida de trabalho e tormento incessantes se tornou um pesadelo doloroso. Ele foi atraído pela ideia de Um Deus, Ahad, e foi essa palavra que salvou sua vida.

O biógrafo Ibn Ishaq nos informa que Bilal sofreu tremendamente por aceitar imediatamente a mensagem islâmica de Muhammad. Ele foi açoitado sem piedade, arrastado do pescoço pelas colinas de Meca e sofreu longos períodos de fome e sede sob o sol escaldante da região. Ibn Ishaq escreveu que o mestre de Bilal, Umayah Ibn Khalf, "... o levou ao sol na hora mais quente do dia e o jogou de costas, depois colocou uma pedra enorme no peito e disse: 'Você ficará aqui até morrer ou até negar Muhammad e adorar  Al Lat e Al Uzza'"[2]. Bilal não renunciou ao Islam e pronunciou apenas uma palavra – Ahad.  

As notícias do escravo torturado, cuja única palavra durante a provação foi Ahad, logo chegaram ao Profeta Muhammad. Ele enviou Abu Bakr para investigar. Abu Bakr era conhecido em Meca como o homem que comprava escravos apenas para libertá-los, e Ummayah ibn Khalaf cobrava um preço escandaloso. Abu Bakr, no entanto, o comprou e o libertou. Bilal tentou ficar o mais próximo possível do Profeta Muhammad e não demorou muito para que o Profeta Muhammad descobrisse que Bilal tinha uma bela voz.

A mensagem do Islam é tão bonita hoje quanto no advento da religião. Aqueles que são oprimidos, marginalizados e descriminados são atraídos para um modo de vida que oferece justiça e misericórdia a todos. Embora neste mundo moderno tendamos a pensar na raça humana como se alguma forma estivesse evoluída e separada da barbárie sobre a qual lemos em nossa história, um pequeno arranhão na superfície revela que não é assim. A escravidão ainda existe, a opressão foi levada a níveis novos e insidiosos e muitas pessoas se sentem desoladas e isoladas de qualquer fonte de conforto. O aumento constante, em todo o mundo, do número de pessoas que se convertem ao Islam é uma prova do fato de que o conforto pode ser encontrado no conceito de Ahad; Um Deus, o Misericordioso e o Perdoador. 

A história de Bilal, no entanto, não termina aqui. No ano 622 E.C. O Profeta Muhammad e quase toda a comunidade muçulmana emigraram para Medina. Bilal permaneceu com o Profeta o maior tempo possível, e um comentarista disse: "Todo evento na vida de Muhammad foi um evento na vida de Bilal."[3]  Segundo muitos ahadith, o Profeta Muhammad ficou preocupado com a necessidade de ter uma maneira de convocar sua crescente comunidade à oração. Depois de ouvir o sonho de um dos sahabah, o Profeta Muhammad disse: "... Pegue Bilal e diga a ele o que você viu, ensine-lhe as palavras para que ele possa ligar, porque ele tem uma voz bonita ..."[4]  É por isso que se pode dizer que a história de Bilal é a história do Adhan, o chamado à oração, pois ele teve a honra de ser o primeiro muezzin. A história do chamado à oração pode ser encontrada aqui: 
https://www.islamreligion.com/pt/articles/4744

Na década seguinte à migração para Medina, Bilal sempre esteve presente em todas as expedições militares do Profeta Muhammad e, em muitas ocasiões, teve a honra de carregar sua lança. Depois de abraçar o Islam, sua vida teve momentos de grande alegria e um sofrimento devastador: a morte do Profeta Muhammad o afetou muito, assim como a todos os Sahabah. Bilal parou de fazer o chamado à oração e não suportava viver em Mediana sem seu Profeta e mentor. Muitos acreditam que ele morreu na Síria entre 638 e 642 EC, outros acreditam que foi em Medina. O local de sua morte não é importante, pois sabemos que seu descanso eterno está no melhor lugar na outra vida, já que o Profeta o chamou de "um homem do Paraíso".[5]



Notas de rodapé:

[1]Quraish é o nome da tribo mais poderosa de Meca na chegada do Islam e a tribo à qual o Profeta Muhammad pertencia. É também o nome de uma surata no Alcorão.

[2] Al Lat, Al Uzza e Manat formam um trio de ídolos que eram adorados na Arábia pré-islâmica.

[3] H.A.L Craig.   (http://www.alhamra.com/Excerpts/BilalExcerpt.htm)

[4] Ahmad, At-Tirmidhi, Abu Dawud, e Ibn Majah

[5] Sahih Muslim.

Ferramentas da Lição
RuimÓtimo  Avalie
| More
Deixe-nos sua Opinião ou Pergunta

Além disso, você poderá perguntar através do chat ao vivo disponível aqui.