Carregando...

Inovação no Islam (parte 1de 2): duas formas de Bidah

Avaliação:

Descrição: Uma breve introdução sobre o significado da palavra bidah e uma explicação da razão pela qual devemos evitar novas questões introduzidas no din Islâmico.

Por Aisha Stacey (© 2013 NewMuslims.com)

Publicado em 30 Dec 2019 - Última modificação em 09 Apr 2017

Impresso: 74 - Enviado por E-mail: 0 - Vizualizado: 3,899 (média diária:: 2)


Objetivos:

·Compreender o significado da palavra bidah.

·Compreender que inovações mundanas como a tecnologia e o transporte não são assuntos a serem rejeitados ou evitados.

·Ser capaz de reconhecer o que é e o que não é inovação no Islam.

Termos em árabe:

·Bidah - Inovação.

·Din - Modo de vida baseado na revelação islâmica; a totalidade da fé e prática de um muçulmano. Din é muitas vezes usado para referir-se à fé ou à religião do Islam.

·Dhuhr - Oração do meio-dia.

·Rakah - Unidade ou ciclo de oração.

·Rajab - Nome do 7.º mês do calendário lunar Islâmico.

·Shariah – Lei Islâmica.

·Sunnah - A palavra Sunnah tem vários significados segundo a área de estudo; contudo o significado que geralmente se lhe atribui é: palavras, ações e aprovações do Profeta.

Innovations1a.jpgBidah é uma palavra árabe que vem da raiz Al-Bada’ que significa “fazer algo sem precedentes”. Em português, utilizamos a palavra inovação. Antes de discutirmos o que é bidah profundamente, devemos distinguir as duas formas de bidah. O primeiro tipo é a inovação na questão das coisas que dizem respeito à nossa vida mundana. Coisas como a tecnologia, a eletricidade e o transporte entrariam nessa categoria. Essas coisas são permissíveis e, em muitos casos, poderiam até ser consideradas desejáveis. A segunda forma de inovação diz respeito às questões do din. Nas questões religiosas, a bidah não é permitida e a introdução de algo novo na nossa religião pode ser perigoso. Por causa do perigo há muitas citações e tradições da Sunnah do Profeta Muhammad que apontam isso.

“Quem inovar, em nossos assuntos, algo que não ordenamos, deverá ser rejeitado”.[1]

O melhor discurso é o Livro de Allah e a melhor orientação e exemplo é o de Muhammad, e o pior de tudo são as coisas inventadas (na religião), pois toda inovação é um erro e um desvio”.[2]

“… Toda inovação é um desvio e todo desvio estará no fogo.”[3]

O din do Islam não necessita da bidah. A religião do Islam está completa e não há necessidade de introduzir ou inventar novos assuntos na religião. Isso é confirmado pela declaração do Alcorão: “Hoje Eu aperfeiçoei a religião para vós e completei Meu favor e escolhi para vós o Islam como vosso din.” (Alcorão 5:3)

Quando uma pessoa inova alguma coisa e acrescenta ao din algo que não lhe pertence, ela insinua que a religião está incompleta e precisa melhorar, ou sugere que Allah não a completou e aperfeiçoou Sua religião. Esse não é o caso, como podemos ver no versículo acima.

Porque é importante evitar a bidah

Embora Allah não castigue uma pessoa que cai no erro por ignorância, somos obrigados a nos educar o melhor que pudermos. O fato é que Allah não aceitará uma ação que não cumpra duas condições importantes. A primeira condição é que a ação tenha a intenção sincera de agradar a Allah Todo-Poderoso. A segunda é que se realize de acordo com o que foi ensinado no Alcorão e na Sunnah autêntica do Profeta Muhammad. A ação deve estar em conformidade com a Sunnah e não estar em contradição com ela.

Com isso em mente, revisaremos o significado de bidah. Linguisticamente, significa criar ou inventar algo novo, algo sem precedentes. Legalmente, é acrescentar algo novo ao din de Allah. Mesmo que a ação seja inventada como uma forma de se aproximar ou adorar a Allah, ela segue sendo inaceitável e continua sendo um pecado.

Como sabemos se um ato de adoração é realmente um ato de bidah?

Em muitas ocasiões você vai ouvir que o Islam é uma religião de conhecimento fundamentado. Isso significa que os crentes levam as coisas a sério. Um crente dedica seu tempo para aprender e entender os detalhes do din e aprende a questionar as ações ou ditos que não são apresentados com provas claras. Ao estudar seriamente, uma pessoa pode reconhecer o que é uma ação da Sunnah e o que é bidah.

A seguir, são apresentadas seis maneiras de distinguir entre uma Sunnah e uma bidah:

1.Um ato de adoração relacionado a uma causa ou razão que não foi legislado:

Não é permitido vincular um ato de adoração a uma causa ou razão que não tenha sido legislados no Alcorão, ou na Sunnah autêntica do Profeta Muhammad. Um exemplo disso seria acordar para rezar à noite durante o sétimo dia do mês Islâmico de Rajab, acreditando que o Profeta Muhammad subiu aos céus nesta noite. Rezar durante a noite é algo legislado no Islam com provas suficientes do Alcorão e da Sunnah, mas quando está ligado a essa razão, se torna uma bidah porque se baseia e se constrói sobre uma razão não estabelecida na Shariah.

2.Formas de adoração:

Também é essencial que o ato de adoração esteja de acordo com a Shariah no seu contexto. Se uma pessoa adorar Allah praticando um ato de adoração cujo teor ou método não foi legislado, este não será aceite. Por exemplo, não é correto sacrificar um cavalo. Isso é algo que seria uma bidah, algo novo adicionado ao din. O sacrifício é limitado pela Shariah Islâmica ao cordeiro, gado, ovelhas e camelos.

Continuaremos nossa discussão sobre a bidah na lição 2, analisando mais formas de distinguir entre uma Sunnah e uma bidah e listando algumas das bidahs mais comuns que vemos todos os dias em mesquitas e entre os muçulmanos de todo o mundo.



Notas de rodapé:

[1] Sahih Bukhari, Sahih Muslim

[2] Sahih Muslim

[3] At Tirmidhi

Ferramentas da Lição
Ruim Ótimo
Fracassado! Tente mais tarde. Obrigado pela sua avaliação.
Deixe-nos sua Opinião ou Pergunta

Comente esta lição:: Inovação no Islam (parte 1de 2): duas formas de Bidah

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.

Além disso, você poderá perguntar através do chat ao vivo disponível aqui.